Arquivo mensal: agosto 2009

Comer e cantar

Ontem foi o McDia Feliz.

29/08/09, McDia Feliz

29/08/09, McDia Feliz

E eu até tenho minhas dúvidas quanto às intenções do McDonald’s em fazer isso… não acho que faria tanta diferença se doassem o valor inteiro do lanche para Instituições que cuidam de crianças e adolescentes com câncer, mas de qualquer forma é louvável. Precisávamos de mais iniciativas assim…

Mas, vamos ao que interessa… falando em McDia FELIZ, esse grupo deixou um Mc nos EUA bem feliz. Atitudes assim quebram a rotina de um jeito muito legal.. e ainda fizeram todo mundo que estava por lá se encantar. Excelente. :]

Paródia da música I’m Yours, do cantor Jason Mraz.

Vídeo original de “I’m hungry”, sem a legenda em português, aqui.

 

Publicado porLê Scalia

Preto e Branco é tradição…

… roxo é paixão.


No embalo dos lançamentos de terceiro uniforme, venho hoje falar sobre a nova camisa roxa do Corinthians.

Uniforme III, Corinthians 2009/2010 (Nike)

Uniforme III, Corinthians 2009/2010 (Nike)

Ficou linda. O roxo escureceu. Pelo que eu tenho percebido, agradou.

Mas, pessoalmente, achei que perdeu um pouco a ideia que “lançou” essa cor de camisa no ano passado. “Corintiano roxo”… já não acredito que se aplique, de fato. Ao meu ver, ficou mais comercial… (mais :P).

Achei muito bonita, mas agora tem mais cara de terceiro uniforme e menos cara de fanatismo. O que pode ser bom, claro.
E foi feito sob medida pra aplacar o ânimo de alguma parte da torcida (em sua maior parte, pertencente às organizadas) que andava pichando os muros, pedindo a diminuição – ou melhor, a extinção – do roxo em produtos oficiais.

A Nike lançou um vídeo que está circulando na internet com a fabricação das camisas e o que seria a primeira vista do uniforme pelos jogadores do Timão. Ficou excelente, como costuma ser o trabalho de marketing da empresa norte americana… vale conferir.

Nike, aliás, que – se não me falha a memória – patrocina somente o Corinthians aqui no Brasil, e pode, portanto, concentrar suas ações de marketing no time alvinegro. O que costuma ser bem visto pelos corintianos… e gera alguns atritos com as torcidas adversárias, como os santistas que ficaram revoltados com a comemoração lançada após a final do Paulista – e prometeram até um poderoso boicote.

Corinthians Campeão Paulista 2009, invicto.

Corinthians Campeão Paulista 2009, invicto.

Agora, a Adidas vem conduzindo seu marketing pelo mesmo caminho, construindo uma concorrência para a marca norte-americana. No Palmeiras, além de lançar a camisa azul, houve um site e alguns vídeos – bem – feitos pela empresa alemã. Talvez o momento não tenha ajudado… saída da Libertadores, confusões, Luxemburgo… mas, ainda assim, boas medidas.

Pra mim, as ações do marketing esportivo no Brasil estão hoje nas mãos dos dois maiores rivais do estado de São Paulo (particularmente, encaro como a maior rivalidade do Brasil, não de uma região ou outra, mas do país. Quando só se tem DOIS times em algum lugar, é óbvio que existe rivalidade – local, devo dizer… Mas no caso de SP, temos Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos. São Paulo é odiado por todos só pela fase e pela arrogância, o Santos é o maior time entre os times pequenos, enquanto Corinthians e Palmeiras são realmente arquirrivais, e existe um respeito nisso).

A briga está mesmo entre Nike e Adidas. A Olympikus tentou incomodar um pouquinho ao chegar no Flamengo, mas não acredito que tenha a força necessária.

Por enquanto a guerra é boa e agrada gregos e troianos, ou corintianos e palmeirenses, mas vejamos até quando será assim. Seguindo a linha da “paixão” e “homenagem”, tem futuro. Quando apela pra qualquer coisa e tentar vender o que costuma ser santificado pelos torcedores, os resultados não costumam ser positivos.

Finalizando, a camisa do Corinthians ficou bonita. Gostei. Mas preciso ver ao vivo… não vai ser difícil, já que os sites anunciam sucesso nas vendas.

Ano que vem, nessa mesma época, tem mais do mesmo.

 

Vai Corinthians! ;]

 

Acabei de encontrar algo muito interessante. Mais sobre Nike x Adidas, pela Folha de São Paulo.

E pra quem quer deixar seu msn roxo, aqui fica a dica.

 

Publicado porLê Scalia

Os 10 melhores anúncios feitos por sem-teto.


Substituído por CGI (Imagens Geradas por Computador). Por favor ajude.

Substituído por CGI (Imagens Geradas por Computador). Por favor ajude.

a230_h2

Ajude-me. Eu sou veterano mutilado da Guerra dos Clones. Preciso de dinheiro para construir a Estrela da Morte.

a230_h3

Aposto 1 dólar que você vai ler esta placa

Jedi sem-teto!

Jedi sem-teto!

Time travaleller

Viajante do tempo. Ajude! Preciso de dinheiro para um novo capacitor de fluxo

Preciso de dinheiro para ficar bêbado

Preciso de dinheiro para ficar bêbado para que aquelas duas mulheres possam me levar para casa e me molestar. Aceitamos doações em queméseupai.com / espanque-memais.orgasmo

Esposa foi sequestrada

Esposa foi raptada! Tô quebrado. 98 centavos para o resgate!

Will code html

Codificarei HTML por comida. Por favor ajude. Deus te abençoe.

Homeless Bill needs rich woman

Sem-teto Bill precisa de mulher rica

Preciso de dinheiro para pesquisa sobre álcool

Preciso de dinheiro para pesquisa sobre álcool

De 10 Funniest Homeless signs ever

Escrever e fazer Cinema: não é bem assim

Vem aí uma série de reflexões motivadas apenas pela vontade de escrever. Então, não se assuste se você se sentir um pouco confuso com este post. São pensamentos aleatórios de uma mente cheia de opiniões.

saramago2

José Saramago acha que os 140 caracteres do Twitter são o prelúdio do fim escrita no processo de Comunicação. Tudo bem, não foi exatamente isso que ele disse, estou apenas parafraseando, portanto é isso que eu acho que ele quis dizer. Enfim, o que ele disse mesmo foi que, daqui a pouco, nós vamos “grunhir” em vez de nos comunicar por meio de frases completas. Afinal, Saramago gosta mesmo é de frases longas e sem pontuação. E por isso ele é um dos maiores escritores contemporâneos.

É claro que eu não vou discordar de Saramago, mas pode haver um outro lado nessa história, menos radical. É, o texto muda de acordo com o meio. O meio aqui é a mídia, não a época. Há textos para livros, revistas, jornais, rádios, manuais, bulas, gibis, teatros… e agora há textos para a internet. Só que a Internet consiste praticamente de conteúdo feito sob demanda. O usuário procura o que lhe interessa somente. Por isso, a Internet tem todos os tipos de texto. E tem os 140 caracteres do Twitter.

Li em algum lugar um dia, que ninguém fica mais de cinco minutos sem clicar no mouse. Ou seja, se a pessoa só estiver passando por acaso na sua página, conquiste seu leitor logo no comecinho de seu texto, ou seja bem rápido e dê outra oportunidade para o leitor se aprofundar no assunto. Por isso, Saramago, os textos na Internet são menores. Não é necessariamente que as pessoas tenham preguiça de escrever. É o meio. Mas eu concordo que muitas pessoas têm preguiça mesmo. E outras têm preguiça de ler.

O Twitter é talvez o meio mais eficiente para ficar por dentro de notícias, se é isso que te interessa. É mais uma ferramenta da Internet totalmente sob demanda. Você segue somente o que lhe interessar. Os 140 caracteres tornam a mensagem objetiva, sem enrolação, direto ao ponto! Mas você pode postar links e levar seus leitores a outro lugar, onde eles poderão se aprofundar no assunto sugerido. Isto é, se eles quiserem.

Mas “grunhido”? Acho isso um pouco apocalíptico.

O outro assunto que se passa em minha mente é relativo ao futuro do Cinema. Tudo isso porque James Cameron alardeou o mundo inteiro com relação ao seu próximo filme, Avatar. Personagens 100% computadorizados, mas totalmente reais, ele disse. Bem, o que eu li por aí (afinal, não pude comparecer ao cinema no Avatar Day), é que James Cameron andou superestimando seu próprio filme. Segundo o blog de Cinema, Cinema Blend, o filme pode ser muito bom e muito bem feito, mas é um desenho, uma animação. E está aí uma coisa sobre a qual eu ainda não tinha pensado: é possível fazer um personagem completamente gerado em computador parecer uma pessoa de verdade? Não é como fazer o Nemo parecer um peixe de verdade. É criar uma pessoa real, com expressões e emoções reais. Por mais que o computador capte os movimentos, os mínimos movimentos do ator, como esse computador pode criar uma pessoa? Ainda mais uma pessoa azul!

É, as expectativas com relação a Avatar baixaram, e parece que não será o próximo Star Wars. Aliás, eu só estou repetindo essa comparação com Star Wars. O que é que esse filme tem de mais? É uma pergunta séria, eu não assisti ao filme.

Bem, parece que a “série de reflexões” se saiu menor do que eu esperava, com, na verdade, duas reflexões. Mas maior do que deveria. Mas tudo bem, estamos aqui sob demanda. ;)

Marketing italiano

Foi lançado recentemente o terceiro uniforme do Palmeiras.

Camisa 3, Palmeiras

Camisa 3, Palmeiras

É uma camisa azul, com a Cruz de Savóia (primeiro distintivo usado pelo Palestra Itália, em 1915) no lugar do escudo alviverde, e foi anunciado como uma “homenagem à Itália”, dispensando, então, o tradicional verde. Eu, como boa corinthiana que sou, aceito que o terceiro uniforme possa fugir às cores tradicionais do time, mas acho mais interessante quando existe uma justificativa (não gosto, por exemplo, da camisa marca-texto palmeirense). Achei o uniforme roxo do Timão, lançado em 2008, nada menos que excepcional. Genial. Afinal, o que você mais ouve dos corinthianos? Sempre foi um pleonasmo, “corinthiano roxo”, mas desde essa jogada de marketing é impossível não se lembrar do Corinthians quando alguém se afirma “torcedor roxo”.

Deixando o todo poderoso de lado, voltemos ao nosso (único) arquirrival. A história do Palmeiras tem um pé fincado na Itália, isso é fato. Foi fundado por ‘imigrantes da bota’ na cidade de São Paulo, com o nome de Società Sportiva Palestra Italia. Por isso, o time do Parque Antártica sempre teve o carinho dos descendentes italianos. Embora, ao meu ver, isso não seja fundamental na escolha do time… acredito que é passado como tradição nas famílias que tiveram diretamente relação com esses imigrantes, que possam morar em bairros italianos, e talz. Mas não acho que isso pese na escolha da maioria dos Palmeirenses. Meu irmão torce pelo Palmeiras. Meu irmão tem descendência italiana. Não foi isso que o fez optar pelo alviverde (eu particularmente credito a ‘escolha’ a um lapso de inteligência e à forte influência do meu avô).

Na segunda Guerra, o Palestra Itália teve que mudar de nome para Palmeiras. E o vermelho, que antes figurava na cor do time, desapareceu. Atualmente, a maioria dos palmeirenses mal se lembrava que o time tivera, um tempo atrás, tanta influência italiana. Mas então, com o lançamento dos uniformes de 2009, vemos no segundo uniforme a volta do vermelho (uma manga, é verdade, mas retomando as cores da bandeira italiana) e no terceiro uniforme, a cor azul. Uma homenagem à Itália. Um resgate das tradições. Bom, assim foi explicado.

Acho que é interesante sim resgatar as tradições, mas isso ficou vagando pela minha cabeça como se houvesse algo errado. Algo que eu ainda não sabia o que era… então, percebi. É tudo uma jogada de marketing. Uma bela jogada de marketing. Uma campanha… um mote. Quantas pessoas não vão comprar a camisa e se gabarem da homenagem à origem italiana? A origem que, muitas vezes, nem se lembravam que tinham.
Não discuto aqui a beleza ou não da camisa. Acho que é bonita, mas não sou a melhor pessoa pra falar sobre isso. É só uma peça pra mim. Não passa de estética.

Mas trouxe essa discussão pra cá porque foi essa impressão que eu tive. Tudo que está sendo feito por trás desse “resgate” é puro marketing. Não discuto se é bom ou mau. É marketing.

Alguém aí concorda? Ou discorda? Estamos abertos à opiniões. :]

Saudações corinthianas, claro.

 

Publicado porLê Scalia

Vai virar moda?

Mais um filme da série “Premonição” vem aí. A gente já sabe da história, sabe que a morte vai levar todo mundo de um jeito muito… criativo, sem querer ser cruel (não é verdade mesmo…), e que é garantida a presença de um terrorzinho e muito muito sangue. A novidade desse filme – além de ser 3D- é ação que foi feita para promovê-lo. Bom, segundo palavras do BRAINSTORM9

É basicamente uma cópia do premiado “Wario Land: Shake It” da Nintendo, mas com outros efeitos, incluindo pneus que saem da tela e sangue jorrando. Não é tão legal e nem tão bem produzido quanto a intervenção do Wario, mas ainda assim é uma proposta interessante para promover um filme 3D.

Eu achei bacana. Para mim ainda é uma novidade muito interessante, mesmo que a gente saiba que não é inédito. Será que vai virar moda? Tomara. A mim, que sou leiga no assunto, me parece que cada “assunto” que se escolha para promover dessa maneira permite um jeito diferente de intervir na página. Muito loco!

Para quem quiser, vale a pena dar uma olhadinha:

http://www.break.com/final-destination-movie/final-destination.html

Tem que ter muita criatividade, né?

Essa é uma das perguntas mais interessantes de quem está escolhendo o curso para prestar no Vestibular, e quer saber mais sobre Publicidade.

ideia

A resposta é sim, tem que ser criativo. Mas…

1: Criatividade é uma coisa que você deve ter em todas as profissões, como profissional criativo, você terá destaque em qualquer que seja a área;

2: Tem outras coisas pra se fazer em Publicidade, não só criar anúncios, normalmente essas outras áreas não requerem alguém especificamente criativo;

3: A Criatividade não é um dom. Ela é aperfeiçoada durante a vida. Todas as pessoas são criativas em potencial.

Bom, tudo isso a gente ouve e experimenta durante a faculdade. De onde tirar ideias? De qualquer tipo de experiência, até da rotina, como por ração pro cachorro. Como treinar a Criatividade? Sim, porque é isso que devemos fazer, treiná-la, como se treina um músculo. Leitura, de qualquer coisa, e sempre sempre sempre ficar por dentro das notícias. É aquela coisa: ler de tudo, ouvir de tudo, comer e beber de tudo, ir a todos os tipos de lugares, conversar com todos os tipos de pessoas. Tenha experiências que você terá histórias e, consequentemente, ideias.

James Webb Young fala que Criatividade é a associação de duas ou mais ideias que já existem. Entende? Você pega duas ideias velhas, que todo mundo conhece, junta tudo e daí sai uma idéia novinha em folha. Parece óbvio, né?

Stalimir Vieira diz que para se ter ideias criativas você deve pensar ao contrário. Pense no que todo mundo faria e depois pense o contrário disso.

E boa sorte no Vestibular!

Entrevista com Washington Olivetto; Mais sobre o curso de Publicidade: aqui e aqui.

Cachorro é tudo de bom.

Quem me conhece sabe que eu sou louca por cachorros. Animais em geral, mas são os cães que mexem mais comigo. Sim, sou uma daquelas pessoas que fica toda boba quando vê um filhotinho e que passa o tempo todo conversando com cachorros como se fossem bebês. Tenho um cachorro (no mínimo) excêntrico em casa e adoro isso.

 

 

Fato. Eles são mesmo “tudo de bom”.

E, por isso, morro de dó quando vejo um cãozinho abandonado… Quando eu era criança, queria montar um “orfanato de cachorros”. Esse era meu plano de futuro e, admitom na minha cabeça era tudo bem divertido. Mas hoje, crescida, tenho dó até da propaganda que circula em Curitiba, com fotos de cachorrinhos abandonados, com aquela carinha de “cão sem dono” mesmo.

Isso pode ser uma das razões pelas quais eu tenha ficado tão sensibilizada com a campanha “Adotar é tudo de bom” da Pedigree. Acho que ela foi feita pra pessoas como eu, sério. (E quando uma pessoa sente que a campanha fala diretamente com ela é sinal de que algo foi bem feito, certo? É o que todo publicitário quer!)

E estou falando isso tudo agora, porque copiei aqui uma nota que eu vi em uma revista, falando sobre essa campanha:

Desde novembro de 2008, a Pedigree lidera uma campanha louvável em prol dos cerca de 20 milhões de cães abandonados no Brasil: “Adotar é tudo de bom”. Com este selo, a marca sensibilizou muita gente. Fóruns invadiram a internet – a chamada mídia espontânea – e até celebridade, como Michael Schumacher, Felipe Massa e Luiza Thomé abraçaram a causa. O resultado: mais de dois mil cãezinhos adotados até agora. O momento agora é de expansão do projeto. A Pedigree pretende repassar R$ 1 milhão para entidades que resgatam e mantêm cães abandonados. “Ninguém muda a realidade sozinho e precisamos de todos para transformar essa triste situação de abandono”, diz Cynthia Schoenardie, gerente responsável pelo programa.

Revista Seleções (Reader’s Digest) do mês de maio de 2009.


Achei isso muito interessante.

É quando eu vejo campanhas assim, com a publicidade usada em causas boas, surtindo efeito, que eu fico feliz com a profissão que escolhi. Mais do que qualquer outra campanha digna de Cannes, é esse tipo de campanha que ainda mantém firme em mim a vontade de ser publicitária. :]

Mais vídeos de  “Cachorro é tudo de bom” aqui e aqui.

 

Publicado porLê Scalia

Os virais do vírus #2

Ontem eu escrevi sobre os virais que a gripe suína tem produzido, com o perdão do trocadilho. Ontem mesmo eu vi nas reportagens mais lidas da Folha uma em especial que falava dos e-mails e boatos que circulam em Curitiba.

E não é que hoje eu recebi um e-mail com um link para uma página com respostas sobre os e-mails enviados com “informações” e boatos? Eu ri. Mas é legal ver como esses virais geraram repercussão e demandaram respostas convenientes para os boatos criados.

Veja nesse link e comente.

Brasil, uma cidade de espanhóis II

 

Toda viagem de intercâmbio possui suas pérolas americanas. Com o meu Work&Travel não foi diferente. Lá vão elas:

  

Rexona Teens

 Era uma vez duas brasileiras que conheceram uma americana. Conversa daqui, conversa dali, resolveram sair para uma festa. Só que para isso, antes, é claro, a americana as apresentou um objeto desconhecido aqui no Brasil: o desodorante. “Este aqui é o desodorante. Nós, meninas, precisamos utiliza-lo para cheirar igual flores…”. Bem, estas meninas nunca mais saíram juntas.

 

Grande praia de nudismo

 Essa pra mim é a melhor: fomos alertados que não, impreterivelmente, não poderíamos ir para praia pelados. Ainda bem que nos avisaram! Tem ainda os que acham que andamos por tudo pelado: vamos para a praia, escola, hospitais, shoppings… Bem, shoppings não porque isso não existe aqui no Brasil. Enfim, tenho amigos que foram recepcionados com uma muda de roupa no aeroporto. Quem mandou brasileiro comprar roupa adoidado quando vai para os EUA? Assim eles pensam que isso é novidade para a gente.

 

Caminho das Índias

 Sempre tem aquele que acha que o Brasil é um grande matagal. Agora que andamos sobre elefantes foi novidade para mim. Pensando bem, deve ser divertido dirigir um elefante. Será que precisa de habilitação ou será que é uma categoria especial? Tem placa?

 

“No final, quando a gente lembra, é engraçado e dá saudade”.

Pior que é verdade.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: