Invictus

Invictus (Invictus)

Invictus

Figurando no OSCAR pelas atuações de Morgan Freeman e Matt Damon, Invictus é um bom filme, baseado em uma excelente história.

Em maio de 1994, o Apartheid, regime racial separatista da África do Sul, parecia estar concretizando seu fim. Nas primeiras eleições multirraciais do país, Nelson Mandela era eleito presidente. Mandela, que havia ficado preso de 1962 (sentença de 5 anos, depois novamente julgado e sentenciado a prisão perpétua) a 1990 (a pressão popular conseguiu sua liberação), ao ganhar a liberdade, começou a colocar em prática sua Nação Arco-Íris.

É a partir daqui que se inicia a história de Invictus. Uma pequena parte da biografia de Mandela, mostrando a importância do esporte para a união de um povo. Cada pequeno detalhe do longa mostra o dedo de Clint Eastwood, até mesmo nos shortinhos bregas do time sul-africano de rugby de 1995.

Trocou o hino, a bandeira, e embora o clamor popular quisesse que se trocasse o nome da seleção de rugby e também suas cores, Mandela não deixou. E o que a princípio pode parecer um jogo político acaba se tornando um pedacinho importante e emocionante da história da África do Sul.

Enquanto os brancos veneravam o Springbok, seu time de rugby, os negros gostavam mais do tradicional futebol. Mesmo sendo trazido pelos ingleses e jogado, principalmente, pelos brancos, durante o Apartheid o futebol se tornou o esporte dos negros, enquanto o rugby virou símbolo da “masculinidade” e “superioridade” branca .

Fato que apresenta resquícios ainda hoje, nas seleções atuais. Enquanto a seleção de rugby tem, em sua maioria, jogadores brancos, a seleção de futebol [os Bafana Bafana] (há pouco comanda por Joel e seu inglês peculiar, e, hoje, tendo Parreira como treinador) só tem um jogador branco entre seus titulares (Matthew Booth).

Bafana Bafana

Springbok

E, no decorrer do longa, é muito interessante ver como um time passou a representar seu povo. Não importando a cor, as dificuldades ou as limitações. E em ano de Copa do Mundo (na África do Sul, veja que coincidência), com o patriotismo à flor da pele, é compreensível a sensação de que, como torcedores, não há distinção. Um time, um país.

Mas o legal do filme é ver a história de perdão e humildade do vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1993. Como alguém que passa quase 30 anos preso em um cubículo e é capaz de esquecer tudo isso e lutar de verdade por igualdade, vencendo os preconceitos e passando por cima de qualquer desejo egoísta de vingança. Fazer do seu inimigo um amigo, e, com isso, com o exemplo, unir uma nação.

O filme conta com ótimas atuações, é claro. Com destaque para Morgan Freeman, que, não por acaso, está concorrendo como melhor ator. E a também boa atuação de Matt Damon, melhor ator coadjuvante. Apesar disso, não aposto em nenhum dos dois para ganhar o prêmio daqui a pouco. Acho que ficam, respectivamente, com Jeff Bridges e Christoph Waltz.

A trilha sonora conduz bem o filme, e a fotografia me lembrou bastante uma imagem da década de 1990. Achei isso bem interessante, na verdade. Em muitas cenas do filme é como se víssemos um VHS. E o roteiro, apesar de previsível, emociona.

Depois de assistir a Invictus eu cheguei a uma conclusão: futebol americano é um jogo de menininhas. Rugby é um jogo pra homens de verdade haha. Brincadeira, claro… mas, sério, absurdo. Eles jogam futebol americano SEM aquela armadura toda. Inclusive, dá pra ver um hematoma na foto do time de rugby postada aí em cima (o cara sem camisa na direita).

E pontos positivos para a semelhança entre Morgan Freeman e Nelson Mandela. Correm boatos de que o próprio Mandela teria escolhido o ator para representá-lo. Não sei, mas acho que se ele fosse escolher, faria a essa mesma escolha.

A mensagem que fica ao final do filme é simples e esperada: a transformação que um povo, um país, pode sofrer quando decidido. Quando realmente aberto. E fica ainda mais legal quando essa mudança vem através do esporte. Sabe aquelas histórias hollywoodianas sobre vencer na vida e superar as adversidades? É mais ou menos isso. Mas real. E esse é o maior mérito de Invictus.

(Aliás, o político Mandela lembra muito aqueles presidentes americanos magnânimos de filmes de fim do mundo. Aquele que representa a bondade, a inteligência e o amor pela nação. Mais uma vez, a diferença aqui é que é de verdade.)

***

Algumas curiosidades…

  • A tal dancinha maori (Haka) da equipe da Nova Zelândia (All Blacks) é real e persiste ao tempo, podendo ser vista ainda nos jogos atuais. Quer vê-la em um jogo de verdade? É só clicar aqui.

Springbok x All Blacks

(Alguém mais lembrou do Kurt e o time de futebol americano de gLee dançando Single Ladies?)

  • Ficção ou realidade? Algumas cenas do filme são impressionamente iguais à realidade.

Freeman e Damon

Mandela e Pienaar

  • François Penaar, o capitão de Rugby que foi sensibilizado por Mandela, é, na verdade, esse:

Pienaar

  • E o verdadeiro Springbok campeão, é esse:

Springbok, 1995

África do Sul x Nova Zelândia (o neo-zelandês parece mesmo haha!)

Links relacionados:

África do Sul e o esporte (o país na Copa de 2010)
A lenda da Haka
Resumo da Copa do Mundo de Rugby de 1995
One Team, One Country
Apartheid

Posts relacionados:

OSCAR
‘Paz’ americana?

Publicado por: Lê Scalia

About these ads

Sobre Lê Scalia

Mineira, corinthiana e publicitária. Apaixonada por cinema, também adora viajar: pelo mundo, por um livro ou pela vida. Às vezes irônica, sempre intolerante: a ignorância, falta de respeito e lactose. Pra mais @LeScalia.

Publicado em 07/03/2010, em Cinema e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. infelizmente ainda nao vi invictus…
    e ja saiu de cartaz aqui, tenho que baixar.

    e essa dancinha ai? haha, “esse é irmao desse”.

    • Esse é irmão desse hahahahaha

      o ti.. baixe sim :]
      não é como IDAS E VINDAS DO AMOR hhahaha mas é bom. Tipo, é uma história real bonita. Prova de q filmes baseados em histórias reais podem ser bons, ter enredo e um roteiro fechado ¬¬
      Diferente de filmes sem final, tipo Rede de Mentiras (q n eh baseado, mas paga de “realidade”)

  2. Eu vi e adorei. Matt Damon bombado e o Morgan Freeman perfeito. Fiquem até o final que os verdadeiros jogadores aparecem na telona!

    • Siiim aparecem! Achein, inclusive, que o stra..?!? parece bastante com o ator hahahaha :]

      brigada pelo comentário, Babi :]

  3. Diiboa melhor filme que já vii
    agora sou fã do Rugby :D
    mtoo zika, procureem pra download ou comprem, vale a pena !

  1. Pingback: Sentimento afrobrasileiro « Biscoitos Sortidos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: