Sentimento afrobrasileiro

Listen to your god
This is our motto
Your time to shine
Don’t wait in line
Y vamos por todo
People are raising
Their expectations
Go on and feel it
This is your moment
No hesitation

Today’s your day; I feel it
You paved the way, believe it

Shakira - Waka Waka

Zangado

De repente, não mais que de repente, começou a Copa do Mundo de 2010. Ok, sei que não foi tão de repente assim, mas que chegou meio quietinha chegou (acho que isso se relaciona com a falta de ânimo atual do brasileiro e a “Seleção é minha“, by Dunga).

Conversando esses dias com um amigo, a gente discutia que até quando o Brasil vence é chato. Que não dá ânimo nem quando é assim. Logo, já tenho meu segundo time escolhido: Holanda. Acho um time talentoso (mais do que os anteriores) e, mais do que isso, simpático (papel que um dia coube ao nosso Brasil). Mas, de coração, vou torcer mesmo para que a África do Sul faça uma boa campanha.

This time for Africa!

Eu enxergo  na África diversas semelhanças com o Brasil. Acho que nos identificamos com eles e a recíproca é válida. E não falo apenas da integração entre os povos, ou a evidente marca africana na cultura brasileira. Não. Somos alguns dos países com maior desigualdade social (lado a lado na lista, os africanos uma posição acima), desigualdade triste e evidente. Talvez ainda mais clara devido às consequências do apartheid; a divisão lá era principalmente pela cor. Aqui a predominância é pelo nível financeiro mesmo.

A África é ainda mais marginalizada que o Brasil. Hoje, com Lula, atingimos um status respeitável. Economia confiável (na medida do possível), grande potencial de crescimento, boa política com a grande maioria dos países e, de quebra, ainda temos “o cara”.

Talvez essa marginalização explique toda a alegria demonstrada por esse povo tão sofrido em seus “15 minutos de fama”. Não é fácil encontrar uma nação que passou e passa por tantas dificuldades como a África do Sul. Como a África em geral, já que o país está apenas representando o continente. Escravidão (levados como escravos por um país de Colonos. Pode isso?), apartheid, AIDS, pobreza…

Essa é a África. Terra que tem me encantado cada dia mais. E enquanto as outras seleções fazem amistosos com times de verdade enfrentamos países como o talentoso Zimbábue. Um país castigado pelo regime ditatorial e pela extrema pobreza, os zimbabuanos esqueceram tudo isso enquanto ovacionavam a seleção praticamente desconhecida do Brasil.

Thank you, Samba Boys“.

Esse era o cartaz mais visto espalhado pela arquibancada do estádio de Harare. Sim, ‘Obrigado, garotos do samba’. Pelo quê? Só por comparecer, certo (porque futebol bonito que é bom..)?! Isso me deixa com o coração absurdamente apertado. Algo que significa tanto para eles, serem vistos pelo mundo, mesmo que por apenas 90 minutos. A chance de realmente existir. Então, eu engulo todas as minhas críticas contra esse adversário fraco quando vejo esse agradecimento acompanhado de um sorriso.

Além do que, havia a chance de machucar o Josué. Nunca se sabe, né. O mesmo aconteceu com a Tanzânia. Jogo horroroso e futebolzinho medíocre contra uma seleção que havia jogado no dia anterior.  Nada disso realmente importa. Assim que a seleção volta para a confortável concentração na África do Sul, o povo (tanto do Zimbábue quanto da Tanzânia) volta para a realidade, que, provavelmente, não tem a Copa do Mundo como prioridade.

É esse o espírito africano. A alegria acima de todas as dificuldades, incertezas, desigualdades e superações. É rara uma

@#¨&%**#@

imagem em que não haja um africano sempre sorrindo. Bom, é fácil perceber… eu me apaixonei pela África. Sempre ouvi excelentes comentários sobre o continente africano, mas essa Copa e essa aproximação com os sul-africanos fez com que eu me encantasse cada vez mais. Tô adorando tudo. Mas ainda odeio as vuvuzelas. Apesar disso, gosto tanto dos africanos que vou guardar meu rancor pra mim.

No fim das contas, quero muito que o Brasil ganhe. Porque acho que isso fará os anfitriões da Copa felizes (lembra do papo da identificação?!). Mesmo com o futebol meia boca, mesmo com tudo isso. Continuo achando que o futebol brasileiro é visto como algo alegre e “do povo”. Então, que seja. Que joguemos essa Copa também por eles, não só por nós. Ganhar já é outra história, haha.

É basicamente isso. As divagações de alguém que, mesmo longe, se apaixonou pelos sons, cores e sorrisos da África.

***

Algumas razões para torcer por um final feliz (leia chegar às semi, como afirmou um vidente africano que vai acontecer) para a anfitriã da Copa:

  • O ex-técnico dos Bafana Bafana (o mestre do inglês, Joel Santana)
  • O atual técnico dos Bafana Bafana (o tetracampeão Parreira)
  • O verde e amarelo do uniforme (também valeria para a Austrália, mas deixa pra lá)
  • A história de vida (e superação) da África do Sul e do continente africano
  • O povo africano, simplesmente apaixonante

So many wars, settling scores
Bringing us promises, leaving us poor
I heard them say ‘love is the way’
‘Love is the answer,’ that’s what they say

K’naan – Wavin’ Flag

Mas falando da África, de sua história e de seu povo, acho impossível terminar de outro modo que não seja com ele, Mandela.

“It always seems impossible until its done.” / Sempre parece impossível até que seja feito.
Nelson Mandela
Posts relacionados:

Brasil brasileiro?
Invictus

‘Paz’ americana?

Publicado por: Lê Scalia

About these ads

Sobre Lê Scalia

Mineira, corinthiana e publicitária. Apaixonada por cinema, também adora viajar: pelo mundo, por um livro ou pela vida. Às vezes irônica, sempre intolerante: a ignorância, falta de respeito e lactose. Pra mais @LeScalia.

Publicado em 12/06/2010, em Cultura, Esportes, História, Música e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 8 Comentários.

  1. Eu gostei mto desse post! E adoro como o esporte une e traz alegria para qq povo.

  2. Kaká! Qnt tempo :D
    Que bom q gostou.. e é realmente algo maravilhoso né?! Qnd o esporte consegue trazer coisas boas.. como o rugby ajudou na união da África do Sul e talz. É mais legal ainda qnd é um povo que não tem tts alegrias.
    Bjo! :]

  3. E ó, acho q tem mta gente torcendo pra África do Sul hahaha. Ontem no jogo eu tva almoçando e na hora q eles perderam aquele gol no finzinho, q a bola bateu na trave, galera soltou o tradicional ‘uuuuuuuh’ haha.
    E o Tiago Leifert tbm disse à noite q torceu pra rsa.. e q acha q tah todo mundo torcendo haha.
    Ah, queria copa todo ano! :P

  4. que liiiiiiiindooo Lê!!!!!!!!
    tb amo a África, acho que a gente se identifica por termos sidos ambos colônias exploradas por europeus… enfim, são tantas coisas, né?

    lindo post! :D

  1. Pingback: Como estragar o bolão alheio « Biscoitos Sortidos

  2. Pingback: Copa do Mundo e jornalismo esportivo: jornalismo? « Biscoitos Sortidos

  3. Pingback: A raiva da direita americana sobre o futebol « Biscoitos Sortidos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: