Arquivo da categoria: Esportes

Provavelmente algo sobre o Corinthians.

Invasão Corinthiana – 36 anos depois e do outro lado do mundo

A coisa era terrível. Nunca uma torcida invadiu outro estado país, com tamanha euforia.

Teve cartilha, reunião com torcedores e mais um enorme esforço de japoneses aterrorizados com a iminente (e eminente) invasão que aconteceria no país durante essa semana.

5, 10, 20 mil corinthianos (ou mais) seguiram o time. 15 mil até o aeroporto, e um tanto mais até o outro lado do mundo.

Mais uma invasão corinthiana. Não é a primeira da história, nem mesmo a segunda e não será a última. Mas considerando a distância percorrida – “o maior deslocamento humano entre continentes em tempos de paz!“, grita um corinthiano ao fundo -, é uma das mais relevantes.

É tudo novidade. Impulsionado não por um jejum de títulos que dura mais de 20 anos e sim pela conquista da inédita Libertadores, o corinthiano vendeu, leiloou, fez empréstimo e contraiu dívidas pra poder dizer “Banzai Corinthians“.

E, bom, eu também gostaria de estar lá. Mas como não me sobra dinheiro e/ou insanidade, acompanho e torço daqui. E como não podia deixar passar, relembro as palavras do grande Nelson Rodrigues sobre a primeira das invasões alvinegras.

Leia o resto deste post

Neymar, o garoto propaganda genérico, e a Corrente da Felicidade da Kibon

Lendo esse título você pode pensar: “o que uma coisa tem a ver com a outra?!”. E eu já explico a minha teoria.

Você já foi obrigado a ver muito (e quando eu digo muito, é muito) o Neymar por aí fora dos campos. Pois bem, isso tudo porque como os especialistas costumam dizer, ele é o jogador que mais agrega valores positivos num só personagem. Isso e o fato dele ter sido o eleito o jogador mais querido entre quase todas as torcidas do país.

Resumindo, ele consegue vender coisas que os outros não dão conta.

Assim, você esbarra por aí com o Neymar garoto propaganda do Guaraná Antarctica, da Panasonic, da Lupo, da Tenys Pé, da Volkswagen, do Santander, da Unilever, da Claro, da Nextel, da Clear Men e, obviamente, da Nike.

Então você já se acostumou com ele. E estava tranquilo depois da propaganda da Seara porque pensou que nada que ele fizesse poderia ser pior do que aquele vídeo horroroso dançando Single Ladies. Pois é, você estava errado.

E a Kibon veio provar isso pra você quando nos obrigou a ficar olhando pro Neymar vestido de vaca. Ou seja, ele quase consegue estragar minha vontade de tomar um Tablito.

neymar-propaganda-kibon-tablito

Sem entrar nos méritos da propaganda ser boa ou ruim, eu sempre sofro quando tenho que ver isso no freezer da Kibon.

neymar-propaganda-kibon-vaca

Pois é. Sofrendo de enorme peso na consciência por obrigar seus consumidores a passarem por essa situação constrangedora, a marca vem tentando se desculpar de diferentes maneiras. A primeira foi no Dia do Sorvete, quando distribuiu picolés em São Paulo.

kibon-dia-do-sorvete-banco-de-eventos

A segunda foi agora, quando criou uma “Corrente do Felicidade“, onde quando você ia comprar um picolé, ele já havia sido pago por um estranho. Aí a pergunta é: você pagaria pro um pro próximo estranho? 

Essa parte foi editada do vídeo, mas acho que eles realmente perguntavam isso pra incentivar o pessoal. Mas o importante é que basicamente todo mundo (menos os 3% de mal com a vida) aceitou pagar e se divertiu. Além, é claro, de ter uma experiência inesquecível com a marca.

É o bom e velho “gentileza gera gentileza“. Inspire-se!

Não só porque estamos em clima de Natal, mas eu acredito muito nisso. Então achei legal a ação. (*Falando em Natal e gentileza, vá até um Correio da sua cidade e escolha a cartinha de uma criança. O projeto é incrível, não seja parte dos 3%,  participe :).)

Mas feche os olhos e lembre um pouco das costumeiras ações da Coca-Cola. O princípio é o mesmo, compartilhar a felicidade, espalhar sorrisos.

Enquanto for assim, que se façam sempre mais correntes, né? Não sei você, mas se eu ganhasse um sorvete quando fosse comprá-lo até esqueceria da visão tenebrosa do Neymar.

 

RIO 2016: Vídeo oficial

“Aquele abraço!” (Gostei muito dessa logo…)

Desde a abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, há pouco mais de duas semanas, pipocaram opiniões, previsões e suposições sobre como será nossa apresentação em 2016.

A calçada do clichê.

Os clichês estarão lá, não resta dúvida. O samba e a bateria, os índios e o futebol (e provavelmente a Ivete Sangalo também. Mas né, se Londres teve as Spice Girls, por que não? Haha). Isso é fato e pudemos ter um gostinho do que virá por aí logo na cerimônia de encerramento no último domingo (12/08), onde tivemos 8 minutos só nossos – com direito ao calçadão de Copacabana.

E quer saber? Não vejo problema nisso. Eu acho que isso faz parte da nossa cultura e é algo forte, algo com o qual estamos acostumados e que, apesar da miscelânea cultural que criou nosso país, acabou incorporando-se na identidade do país. Na união de negros, índios e brancos, criou-se o carnaval. São expressões que não vieram de uma só cultura e isso é muito legal!

É claro que eu fico irritada quando um gringo acha que no Brasil é carnaval o ano inteiro, que falamos espanhol e que somos colônia do Chile. Fico puta quando acham que acordamos sambando, batemos uma bolinha depois de almoçar feijoada e terminamos a tarde tomando uma caipirinha na beira da praia. É claro que isso é ridiculamente pouco perto de um país rico culturalmente como o nosso, sem falar em preconceituoso. Mas são aspectos da nossa cultura e o legal não é negar isso, e sim agregar mais coisas a esse estereótipo.

Leia o resto deste post

CORINTHIANS, Campeão da Libertadores 2012

O globoesporte.com lançou ontem uma página especial contando a história da conquista da Libertadores pelo Corinthians através de quadrinhos. Eu ainda não consegui definir bem isso, é quase um infográfico (html) em forma de taça.

Fato é que conforme a taça vai sendo “construída” surgem quadrinhos com frases que resumem cada momento. Clicando neles, você é encaminhado para o link da notícia, postada no GE.

Ficou sensacional, pra você que é corinthiano (e também você que não é), vale a pena ver. Afinal, o trabalho de Carlos Lemos, Renata Cuppen, Swami Pimentel e Thiago Rohrbacher ficou incrível. Para acessar, basta clicar aqui.

E, bom, se a mídia não para de falar sobre isso, eu, corinthiana que sou, me dou o direito de ressaltar alguns detalhes, momentos marcantes e matérias mais legais que eu vi por aí, na continuação deste post. Já se completa hoje uma semana de campeão invicto na Liberta, é algo como “bodas de guardanapo de boteco”.

Leia o resto deste post

Magazine Luiza e o patrocínio pontual do Corinthians

Hoje tem Curintiá!

Pois é, amigos, hoje tem Corinthians… e em se tratando de mata-mata da Libertadores, hoje também tem drama. E em se tratando do Corinthians em mata-mata da Libertadores, hoje tem muito drama.

O jogo deve bater os recordes de audiência do esporte esse ano e com certeza será assistido por todo o Brasil. Afinal, não apenas os corinthianos estarão vendo a partida, mas todos os anti-corinthianos também irão acompanhar (pra saber Quando Ele Cai).

Quando ele cai? (Recalcados, DEEESSA VEZ o Timão nem vai cair.. :I)

Talvez isso explique o maior patrocínio pontual (por um jogo só) da história. Corinthians e Magazine Luiza anunciaram, há pouco, a parceria para essa quarta-de-final da Libertadores.

O valor, não divulgado, passa dos 500 mil oferecidos no jogo anterior e, pra mim, chega perto de 1 milhão.

Aí você se pergunta… vale mesmo a pena?

A minha opinião: vale.

Hoje, milhões de pessoas terão Magazine Luiza estampando a tela durante 90 minutos (no mínimo). Em contas rápidas, você percebe que o valor pago no patrocínio é quase o mesmo de um ou dois intervalos de 30 segundos durante o Jornal Nacional ou o Fantástico.

Leia o resto deste post

Por que Chicão tornou-se ídolo do Corinthians

Quer pular o blábláblá e ir direto para a resposta da pergunta? É só descer até os ***.

Hoje, depois de 8 jogos entre os reservas, o ex-capitão corintiano voltou ao time. Afastado por motivos técnicos, o jogador pediu para não ser relacionado para o primeiro jogo do qual ficaria de fora. Pode ter sido o susto por ter sido sacado do time, mas não deveria ter feito isso. Alegou não ter condições emocionais para o banco naquele jogo (contra o São Paulo).

Depois, foi a vez de Tite esquecê-lo por um período. Então, finalmente, apareceu como opção no banco. E depois que a zaga – agora titular – foi suspensa (Paulo André pelo terceiro amarelo e Leandro Castán pelo vermelho), ele teve de novo sua chance.

Leia o resto deste post

Trash your Tevez t-shirt

No futebol, assim como na vida, é impossível agradar todo mundo. Mas veja, desagradar todo mundo não é tão difícil assim. Aprenda com Carlitos Tevez:

Em 2009, Tevez trocou o Manchester United (então com 91 jogos disputados desde 2007) pelo Manchester City (onde, até hoje, jogou 87 partidas). Tornou-se assim, um famoso “vira-casaca”. Na época, foi taxado de Judas e jurado de ódio eterno pelos torcedores do Red Devils ao mesmo tempo em que caía nas graças dos citizens e se tornaria o capitão do novo time.

Gol vai, gol vem, e o dançarino de Cumbia mais famoso do Brasil meteu-se em confusão novamente.

(Falando em dança, ele já fez muitos ingleses rebolarem, veja aqui.)

Em um determinado jogo, Tevez teria se negado a entrar na partida nos minutos finais (seu empresário diz que não, todo o resto diz que sim) e isso acabou com a já frágil relação do argentino com o clube.

Resultado: a decisão de que Tevez nunca mais irá jogar pelo Manchester City (ele, inclusive, está treinando em separado).

Aproveitando-se deste momento raro onde “inimigos” se unem por um ódio em comum, a empresa betfair (uma das patrocinadoras do United) resolveu brincar com a situação. Começou uma campanha intitulada “Trash your Tevez t-shirt” (“Jogue fora sua camisa do Tevez”).

Jogue fora sua camisa do Tevez!

Caminhão no Old Trafford

O passo a passo é bem simples. Hoje mais cedo havia algumas caçambas ao redor do Old Trafford, estádio que abrigaria o clássico mais cedo nesse domingo (e que surpreendentemente foi vencido por 1x6 pelo visitante City. Isso mesmo, SEIS a UM).

Bastava que o torcedor chegasse lá com sua camisa número 32, fosse ela vermelha ou azul, e a jogasse do lado que preferisse (a caçamba era dividida em meio a meio, metade azul e metade vermelha, ambas estampando o rosto sorridente de Carlitos acenando).

Trash your Tevez... lado A

Trash your Tevez.... lado B

Mas aí você pensa… ok, é um traidor, blábláblá, mas eu não jogaria a camisa do meu time do coração fora! Por isso esta é a parte esperta! Assim que descartasse sua camisa do Tevez, o torcedor receberia outra novinha. Boa troca né? Se a moda pega, ia ter gente forjando camisa do Tevez pra poder ganhar outra.

E as camisas rivais acumuladas, o que fazer com elas? Reciclar, fazer uma fogueira do rancor, o quê? Aqui entra a segunda parte legal. As camisas seriam enviadas para a Argentina (há!) para instituições de caridade, onde tenho certeza de que serão muito bem recebidas.

Pelo menos até o início do jogo hoje, os rivais permaneciam unidos – agora eu acredito que nem tanto. E, convenhamos, depois de uma goleada dessas nenhum dos lados está se lembrando da polêmica Tevez.

Publicidade: escola de artes marciais te ensina a atravessar paredes

Se os gregos inventaram a arte de quebrar pratos, os orientais inventaram a arte de ‘atravessar paredes’. Desenvolva tal habilidade nesta escola de artes marciais.

Publicidade - Escola de artes marciais

Publicidade - Escola de artes marciais

#prasemprefenomeno

Ontem à noite, no “Bem Amigos” do SporTV, o Galvão Bueno quis dar o furo e estreou ao vivo a homenagenzinha da Nike destinada ao nosso Ronaldo.

a.R. (antes de Ronaldo)

d.R. (depois de Ronaldo)

Leia o resto deste post

Para terminar o dia: casa comigo, Nadal?

Ai, gente. Vamos combinar aqui entre nós que o Nadal é tudo PRA VIDA. Infelizmente, não é só a gente que acha. E mais infelizmente ainda, uma mulher teve a pachorra de pedir ele em casamento. NO MEIO DO JOGO.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: