Arquivos do Blog

Uma semana em Guanacaste

Semana passada foi diferente aqui na Costa Rica.

Todo ano, a Novartis faz uma convenção que reune a equipe de vendas e de marketing de Costa Rica, Honduras e Nicarágua em algum lugar do país. Este ano, resolveram escolher um dos hotéis mais caros de Guanacaste, a província mais turística da Costa Rica.

Adivinhem? Exatamente, nós, os quatro humildes Aiesecos, fomos também. Ficamos quatro dias hospedados no Riu Resort, um hotel all inclusive na Praia Ocotal. Eu não tinha idéia de como funcionava um sistema “tudo incluído” antes desta convenção. Mas sim, all inclusive é all inclusive. Isso quer dizer que tínhamos rum, vodka, whiskey, gim e cerveja à vontade em nossos quartos, bares 24h fazendo todo e qualquer coquetel (cuidado com a cucaracha!) e comidas variadas a qualquer momento. Além disso, havia um casino dentro do hotel, além de uma Pacha (sim, a balada foda que existe em Floripa, São Paulo, Barcelona, Madrid e por incrível que pareça, Guanacaste).

Nisso tudo, só um problema: estávamos lá para trabalhar. Ou seja, agenda cheia de palestras e treinamentos. Mas na verdade, isso foi muito bom. Conheci muito mais sobre a Novartis,  conheci pessoas dos três países e por aí vai… E claro, todo dia, depois da agenda, sempre encontrávamos um tempo para aproveitar o all inclusive.

Depois, quando chegou sexta-feira, hora de voltar com a excursão para San José? Nada! Descemos, Marcelinho e eu, na primeira cidade onde havia ônibus para outra praia. Fomos para Tamarindo, a esquina arenosa da Costa Rica com as melhores ondas para surfar (diz a lenda). A praia é tesão (nada comparada com Bocas de Toro, mas ok, encontramos iguanas), mas para mim o melhor é a cidade. Tudo é muito roots lá, dos albergues aos nativos, climão de praia geral. Na verdade, o que menos se encontrava era nativo. Escutamos mais inglês do que espanhol, com certeza. Talvez por isso, na balada, rolou até concurso de wet t-shirt (e tem gringo com coragem de falar de brasileiro).

Depois de passar do hotel mais caro de Guanacaste para o albergue mais barato de Tamarindo, voltamos para a dura realidade. É, San José não é das melhores cidades para se viver. Para uma capital, não possui muita estrutura, tampouco é muito turística. Mas tudo bem, fim de semana chega rápido e, enquanto a plata nos deixar, continuaremos viajando.


Publicado por Tiago Pizzolo


Posts relacionados:
Salsa, cumbia, rumba ou merengue?
Traga seu mapa e sua bússola!
Cheguei!
Hasta luego, Brasil!
Não goste de estabilidade

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: