Arquivos do Blog

Dexter season finale: SPOILERS

I am a father... a son... a serial killer.

Só repetindo, pra evitar tentativas de assassinato, que este post contém milhões de SPOILERS. De todas as temporadas, mas em especial, do episódio transmitido ontem à noite pelo Showtime.

E, falando nisso, vamos lá. It’s showtime. Leia o resto deste post

Dexter, The Walking Dead e Breaking Bad viram estampas de tênis

Mas estes tênis não estão à venda (ainda…). Eles são apenas parte de um projeto do site Tauntr.com, executados pelo designer Chuck Taylor. A turma do Tauntr resolveu misturar suas séries favoritas com seus tênis favoritos (Converse Allstar) e o resultado foi tão legal que os leitores não param de perguntar: onde eu posso comprar um desses?

Bem, ainda não dá pra comprar, mas não é uma má ideia, né? Vamos esperar que Converse veja esses tênis e curta o projeto. Não seria a primeira vez que a marca estaria se juntando a zumbis.

dexter estampa tênis allstarthe walking dead estampa tênis allstarbreaking bad estampa tênis allstar

Vai um O negativo?

Já falamos algumas vezes de campanhas de divulgação de um seriado. Bem, normalmente, esse tipo de campanha não tem nada além de um poster super legal, principalmente se a série já faz sucesso. Mas a gente se surpreende mais ainda quando vemos aquelas campanhas em que o seriado ou algum elemento seu é transformado em um produto como qualquer outro. Dá a impressão de um tratamento mais mercadológico pra campanha, o que, na minha opinião e na opinião de Philip Kotler (o Deus do marketing), faz com que a campanha obtenha maior sucesso.

Então, vamos recapitular. As campanhas de divulgação das novas temporadas de Dexter são absolutamente incríveis, com ações sensacionais, como a fonte que jorra sangue.

Lost também fez uma campanha interessante para a divulgação da 5ª temporada. Espalharam outdoors que faziam propaganda, supostamente, da Oceanic Airlines, a cia. aérea cujo avião cai e dá início à toda história.

E por fim, já falamos também de True Blood, que fez uma campanha cuja ideia era divulgar produtos reais para vampiros. E agora, perto de retornar à TV, a HBO lançou mais uma campanha sensacional para divulgar a 3ª temporada da série.

Vejam só, a HBO tem até um site da marca de bebida Tru Blood: www.trubeverage.com. É ou não é sensacional?

Posts relacionados:
We have to go back!
Dexter, um outro nível de TV e de PP
True Ad

Publicado por Lu

Golden Globe²

Eles são azuis, têm 3m de altura, se comunicam por um idioma desconhecido e moram em uma lua. Esses são os protagonistas de Avatar, sensação de James Cameron que já arrecadou mais de 1 bilhão de dólares e já é a segunda maior bilheteria mundial.

Seu último feito? O Globo de Ouro de melhor filme de 2009.

Aqui vem a lista de todos os vencedores:

Melhor filme – drama
Avatar

Melhor atriz em filme – drama
Sandra BullockO Lado Cego

Melhor ator em filme – drama
Jeff BridgesCrazy Heart

Melhor filme de comédia ou musical
Se Beber, Não Case

Melhor atriz em filme de comédia ou musical
Meryl Streep - Julie & Julia

Melhor ator em filme de comédia ou musical
Robert Downey Jr. – Sherlock Holmes

Melhor filme em animação
Up – Altas Aventuras

Melhor filme estrangeiro
A Fita Branca (Alemanha)

Melhor atriz coadjuvante
Mo’nique - Preciosa – Uma História de Esperança

Melhor ator coadjuvante
Christoph Waltz - Bastardos Inglórios

Melhor diretor
James CameronAvatar

Melhor roteiro
Jason Reitman - Amor sem Escalas

Melhor trilha sonora
Michael GiacchinoUp – Altas Aventuras

Melhor canção original
The Weary Kind - Crazy Heart

Melhor série de TV – drama
Mad Men

Melhor atriz em série de TV – drama
Julianna MarguliesThe Good Wife

Melhor ator em série de TV – drama
Michael C HallDexter

Melhor série de TV, comédia ou musical
Glee

Melhor atriz em série de TV, comédia ou musical
Toni Collette - United States of Tara

Melhor ator em série de TV, comédia ou musical
Alec Baldwin - 30 Rock

Melhor minissérie ou filme para TV
Grey Gardens

Melhor atriz em série, minissérie ou filme para TV
Drew Barrymore - Grey Gardens

Melhor ator em série, minissérie ou filme para TV
Kevin BaconTaking Chance

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Chloë SevignyAmor Imenso

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
John LithgowDexter

E, claro, alguns comentários.

Esse Globo de Ouro me deixou dividida. Embora revoltadíssima com algumas escolhas, outras, muito merecidas, me deixaram satisfeita.

Primeiro, as revoltas:

  • Jane Lynch, a Sue Sylvester de Glee era a favorita para levar o Globo de melhor atriz coadjuvante em série e teve que ver uma loira sem sal (Chloë Sevigny, de Big Love) vencer. Ok, estou sendo injusta. Eu não assisto a Big Love e não conheço o trabalho dela, mas enquanto as concorrentes eram mostradas, ela estava com uma cara de tédio que, sério, é até uma ofensa ela ganhar.
  • E a segunda grande revolta da noite: Dexter, com sua 4ª temporada sensacional não vencer como melhor série dramática. Como assim? Michael C Hall é o melhor ator; John Lithgow o melhor coadjuvante; a temporada foi espetacular; e quem ganha o Globo de Ouro é Mad Men? Ah, por favor. Eu já disse isso ontem… já que a crítica gosta tanto da HBO, deveria parar de colocar outros concorrentes e entregar o prêmio de uma vez pra não irritar a nós,  criaturas de incrível bom gosto meros mortais.
  • Taylor Lautner, o “lobisomem” queridinho, apresentando. Tenho alguns pensamentos sobre ele. 1º Ele é um boneco de cera, sério. 2º Ele é tão ruim apresentando quanto é atuando.

Por fim, uma revolta que não tem nada a ver com o Globo de Ouro, mas com a transmissão da TNT. Aqueles dois são muito chatos, sem condição! E o metido a sabichão lá ainda chamou o Michael C Hall de Anthony C Hall. Aliás, falando nele, ontem nosso mais querido serial-killer apareceu de gorro. Estranhei, não sabia que ele estava doente. Agora, torço muito para que ele vença tudo isso. Ele e a Debra, sua esposa – Jennifer Carpenter.

As satisfações:

  • Zachary Levi apresentando! Ah, como eu amo #Chuck.
  • John Lightow e Michael C Hall, minha dupla sanguinária favorita (Trinity & Dexter), que apavorou (literalmente) em Dexter ficou com melhor ator coadjuvante e melhor ator. Mais do que merecido.
  • Fiquei muito, muito, mas muito feliz com a vitória inesperada de Glee. Isso mostra o quanto a série do momento da FOX está sendo reconhecida e não nega o “quê” de alternativa.
  • Eu quero um Robert Downey Jr. pra mim. Disse isso logo após ver Sherlock Holmes, e repito com mais certeza que antes. Ele é o meu Johnny Depp momentâneo. Esteve incrível no papel do detetive mais famoso da história, e, de quebra, fez o discurso mais divertido.
  • Sandra Bullock. Dizem por aí, que todo mundo a-dora ela. Mas sério, como não amar? Aos 45 anos, ela estava num esplendor de causar inveja. Linda! Absoluta. E não pude ver The Blind Side ainda, mas tenho a mais completa certeza de que ela mereceu. Gente.. sério, alguém que fez Miss Simpatia já tem créditos comigo pra vida toda.
  • Melhor atriz em comédia… grande dúvida pra mim. Adorei A Proposta, mas seria um absurdo não dar esse prêmio à intérprete da Julia Child. Meryl Streep estava em uma elegância impressionante. E ela não é mais questionável. Se quiserem dar, sei lá, o prêmio de mulher mais sexy do planeta pra ela, com mais de 60 anos, ótimo. Sério, ultimamente entendi que ela pode qualquer coisa.
  • A trilha sonora de UP é maravilhosa. Merece realmente muito destaque.
  • Lembra daquele nazista mala de Inglorious Basterds? Então, “that’s a bingo“! Christoph Waltz ficou com o prêmio de melhor ator coadjuvante. E foi um dos Globos mais merecidos.
  • Melhor diretor: e aí, James Cameron ou Tarantino? Se você pensar que James Cameron criou tudo em Avatar, incluindo a língua dos Na’vi, não resta dúvidas. Achei muito bem entregue.
  • Pelo conjunto da obra, Avatar.  E ponto final. Além disso, tem o que a falou ontem… ninguém vai querer ser a pessoa que não deu o prêmio a um dos filmes mais revolucionários da História.

Robert Downey Jr. e Sandra Bullock

(Além de todas as minhas alegrias, o Robert Downey Jr e a Sandra Bullock, dois dos meus atores favoritos, estavam sentados juntos! Buni ;])

De resto:

  • Jeff Bridges parece ter merecido o prêmio de melhor ator em drama, já que foi aplaudido de pé.
  • Eu não sei se concordo com Amor sem escalas ficar com o roteiro original, mas não assisti. De qualquer forma, acho que daria pra Distrito 9 ou It’s Complicated, que parece legal.
  • Em Melhor canção eu não vi nenhuma música espetacular. Daquelas que marcam a história do Cinema, sabe? Ah, se “My Heart Will Go On” estivesse concorrendo no lugar de “I See You”… haha.
  • Antes de ver A Princesa e o Sapo torcia pra ele ganhar de melhor animação. Mas depois de ver, sei que UP é que merecia.
  • Alec Baldwin ganhando como melhor ator de comédia por 3o Rock não é surpresa. Mas achei que a Tina Fey fosse fazer companhia a ele como melhor atriz.
  • A Drew Barrymore que atua desde que sabe falar ganhou seu 1º Globo de Ouro. Acho legal.
  • Sobre o prêmio de Se beber, não case, eu não assisti, mas acho que qualquer filme que tenha um nome desses não merece um Globo de Ouro. Fui mais com a cara de It’s Complicated.

É, gente. A temporada do tapete vermelho começou. E as divas – destaque pra Meryl Streep e seu ótimo discurso, e pra Helen Mirren (foda) – e divos que vimos ontem estão só se aquecendo. E os fofoqueiro de plantão também. Dá-lhe E!.

Posts relacionados:
Golden Globe
Até que enfim, Avatar!
A Proposta
Sobre Hitler e alguns filmes
Era uma vez…
Distrito 9: com ETs, sem fim do mundo
Elementar, meu caro Watson
Julie & Julia
UP
No more Mr. Nice Spy
Um Herói de all-star
Dexter, um outro nível de TV e de PP
Abso-fucking-lutely

Publicado por: Lê Scalia

Golden Globe

Saiu hoje a lista dos indicados ao “Globo de Ouro“.

A premiação – Golden Globe Awards – é a segunda honra mais importante que alguém que trabalha no Cinema ou na TV pode receber. No caso do primeiro, perde para o OSCAR, e no caso do segundo, para o EMMY. Entregue desde 1944 (só Cinema, e a partir de 1956 TV também), o prêmio vem coroar algumas das boas produções que surgiram no ano.

É interessante ver como boa parte das séries concorrentes são transmitidas por TV a cabo nos EUA, produzidas por emissoras como a Showtime e a HBO. Séries assim têm, geralmente, um conteúdo mais adulto e uma produção excepcional, alguns casos são Dexter, Desperate Housewives, True Blood, Mad Man e outros.

Mas vamos ao que interessa! Fofocar sobre os indicados…

Meus destaques vão para: Sandra Bullock, Meryl Streep, Glee e Dexter.

No que diz respeito a melhor filme, acho que fica entre Avatar e Bastardos Inglórios. (Acho muito engraçado filmes que ainda não saíram no cinema concorrerem hahaha. Até onde eu sei, a crítica já viu Avatar e os jurados do GGA já viram ao filme… mas é no mínimo estranho isso. Me lembrou os prêmios da Capricho, haha, que colocaram “Lua Nova” pra concorrer sem ter saído no cinema…  e o pior é que ganha.).

Como ainda não vi – óbvio – Avatar, não sei dizer quem tem mais chances. Bastardos Inglórios, como obra cinematográfica, é incrível… mas os Navi’s pretendem revolucionar o cinema, portanto, não sei mesmo. Acho que, indo pra um dos dois, estará bem entregue.

Aliás, isso me parece uma bela prévia do Oscar. Acredito que, tanto um quanto outro, acumularão indicações (e conquistas) na maior premiação do Cinema.

Avatar x Bastardos Inglórios. A história se repete. James Cameron (e sua mania de grandeza) x Quentin Tarantino (e sua paixão pelo sangue). A direção de Inglorious Basterds é maravilhosa. De verdade. Tarantino fez um trabalho de mestre. Mas, então, o Cameron criou e escreveu toda a estória de Avatar – que promete ser incrível. De novo, ficando entre eles tá em casa.

A maioria dos filmes concorrentes ainda não estreou no Brasil, por isso fica mais difícil opinar. Mas torço pelo Robert Downey Jr (!!!) como melhor ator de comédia, por Sherlock Holmes (estou louca pra ver).

Outros comentários que valem ser feitos são as duplas indicações de Sandra Bullock e Mery Streep. A Sandra (íntima, haha) concorre por melhor atriz em drama – The Blind Side (louca pra ver)² – e comédia – A Proposta. Não sei bem como opinar, já que é uma das minhas atrizes favoritas. Merece pelo que eu vi no trailer de The Blind Side (acho que no Brasil foi traduzido como “O Lado Cego” mesmo).

Meryl Streep, outra das atrizes que eu mais admiro, concorre com ela mesma e com a própria Sandra Bullock, na categoria de melhor atriz em comédia/musical. Aliás, a disputa aqui é acirrada. Bullock, Roberts (Julia) e Streep². Acho que fica com a Meryl, merecidamente, por Julie & Julia. Mas não sei.

Melhor roteiro, pra mim, fica entre Distrito 9 e Bastardos Inglórios, e embora Tarantino mereça por ser muito bem pensado, por ter criado excelentes personagens – e ter feito o que todo filme sobre a 2ª GM teve vontade -, acho que Distrito 9 é mais original. Inglorious tem algumas “quebras”, os capítulos… E apesar de não gostar de ver os aliens como aqueles insetinhos estranhos, vou com Peter Jackson.

Melhor trilha sonora torço pra UP!, a trilha é muitooo legal… e falando em UP, o filme também está concorrendo como melhor animação, ao lado de A Princesa e o Sapo (louca pra ver)³. Achei um absurdo que Os Fantasmas de Scrooge também não estejam na lista. E, bem… não vi A Princesa e o Sapo ainda, mas espero que leve :]. Se não, UP faz as honras.

Agora quanto aos prêmios televisivos, breves comentários:

  • Espero que Dexter vença como melhor drama (4ª temporada incrível)
  • Gostaria de ver Glee levar o de melhor comédia.. mas é difícil a concorrência. The Office e 30 Rock? Não sei.
  • Melhor ator de drama: pra mim, com certeza Michael C. Hall. Embora, concorra com o querido Hugh Laurie e com o bom Simon Baker.
  • Por fim, como ator e atriz coadjuvante, torço muito para John Lithgow – Trinity!!! – e para Jane Lynch – Sue Sylvester. Personagens de Dexter e Glee, respectivamente. Excelentes personagens, aliás.

Fica a torcida :].

E fica também a lista de todas as indicações ao 67º Globo de Ouro.


MELHOR FILME – DRAMA:
- Avatar
- Guerra ao Terror
- Bastardos Inglórios
- Preciosa
- Amor sem Escalas


MELHOR FILME – COMÉDIA/MUSICAL:
- 500 Dias com Ela
- Nine
- Julie & Julia
- Se Beber, Não Case
- It’s Complicated


MELHOR DIRETOR:
- Kathryn Bigelow (Guerra ao Terror)
- Clint Eastwood (Invictus)
- James Cameron (Avatar)
- Jason Reitman (Amor sem Escalas)
- Quentin Tarantino (Bastardos Inglórios)


MELHOR ATOR – DRAMA:
- Jeff Bridges (Crazy Heart)
- George Clooney (Amor sem Escalas)
- Tobey Maguire (Entre Irmãos)
- Morgan Freeman (Invictus)
- Colin Firth (A Single Man)


MELHOR ATOR – COMÉDIA/MUSICAL:
- Matt Damon (O Desinformante!)
- Daniel Day-Lewis (Nine)
- Joseph Gordon-Levitt (500 Dias com Ela)
- Robert Downey Jr. (Sherlock Holmes)
- Michael Stuhlbarg (Um Homem Sério)


MELHOR ATRIZ – DRAMA:
- Emily Blunt (The Young Victoria)
- Sandra Bullock (The Blind Side)
- Helen Mirren (The Last Station)
- Gabourey Sidibe (Preciosa)
- Carey Mulligan (Educação)


MELHOR ATRIZ – COMÉDIA/MUSICAL:
- Julia Roberts (Duplicidade)
- Meryl Streep (Julie & Julia)
- Meryl Streep (It’s Complicated)
- Marion Cotillard (Nine)
- Sandra Bullock (A Proposta)


MELHOR ATOR COADJUVANTE:
- Matt Damon (Invictus)
- Woody Harrelson (The Messenger)
- Christopher Plummer (The Last Station)
- Christopher Waltz (Bastardos Inglórios)
- Stanley Tucci (Um Olhar do Paraíso)


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE:
- Penélope Cruz (Nine)
- Vera Farmiga (Amor sem Escalas)
- Anna Kendrick (Amor sem Escalas)
- Mo’nique (Preciosa)
- Julianne Moore (A Single Man)


MELHOR ROTEIRO:
- Distrito 9
- Guerra ao Terror
- It’s Complicated
- Amor sem Escalas
- Bastardos Inglórios


MELHOR TRILHA SONORA:
- Up – Altas Aventuras
- O Desinformante!
- Avatar
- A Single Man
- Onde os Monstros Vivem


MELHOR CANÇÃO ORIGINAL:
- Nine (“Cinema Italiano”)
- Everybody’s Fine (“I Want to Come Home”)
- Avatar (“I Will See You”)
- Crazy Heart (“The Weird Kind (Theme from Crazy Heart)”)
- Entre Irmãos (“Brothers”)


MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO:
- Tá Chovendo Hambúrquer
- Up – Altas Aventuras
- A Princesa e o Sapo
- Coraline e o Mundo Secreto
- O Fantástico Sr. Raposo


MELHOR FILME ESTRANGEIRO:
- Baaria (Itália)
- Abraços Partidos (Espanha)
- Un Prophète (França)
- A Fita Branca (Alemanha)
- La Nana (Chile)


MELHOR SÉRIE DE TV – DRAMA:
- Big Love
- Dexter
- House
- Mad Men
- True Blood


MELHOR SÉRIE DE TV – COMÉDIA/MUSICAL:
- 30 Rock
- Entourage
- Glee
- Modern Family
- The Office


MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – DRAMA:
- Simon Baker (The Mentalist)
- Michael C. Hall (Dexter)
- Jon Hamm (Mad Men)
- Hugh Laurie (House)
- Bill Paxton (Big Love)


MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – DRAMA:
- Glenn Close (Damages)
- January Jones (Mad Men)
- Julianne Margulies (The Good Wife)
- Anna Paquin (True Blood)
- Kyra Sedgwick (The Closer)


MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA/MUSICAL:
- Alec Baldwin (30 Rock)
- Steve Carell (The Office)
- David Duchovny (Californication)
- Thomas Jane (Hung)
- Matthew Morrison (Glee)


MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA/MUSICAL:
- Toni Collette (United States of Tara)
- Courteney Cox (Cougar Town)
- Edie Falco (Nurse Jack)
- Tina Fey (30 Rock)
- Lea Michele (Glee)


MELHOR MINISSÉRIE / FILME PARA TV:
- Georgia O’Keeffe
- Grey Gardens
- Into the Storm
- Little Dorrit
- Taking Chance


MELHOR ATOR – MINISSÉRIE / FILME PARA TV:
- Kevin Bacon (Taking Chance)
- Kenneth Branagh (Wallander: One Step Behind)
- Jeremy Irons (Georgia O’Keeffe)
- Chiwetel Ejiofor (Endgame)
- Brendan Gleeson (Into the Storm)


MELHOR ATRIZ – MINISSÉRIE / FILME PARA TV:
- Joan Allen (Georgia O’Keeffe)
- Drew Barrymore (Grey Gardens)
- Jessica Lange (Grey Gardens)
- Anna Paquin (The Courageous Heart of Irena Sendler)
- Sigourney Weaver (Prayers for Bobby)


MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE TV / MINISSÉRIE / FILME PARA TV:
- Michael Emerson (Lost)
- Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother)
- William Hurt (Damages)
- John Lithgow (Dexter)
- Jeremy Piven (Entourage)


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE TV / MINISSÉRIE / FILME PARA TV:
- Jane Adams (Hung)
- Rose Byrne (Damages)
- Jane Lynch (Glee)
- Janet McTeer (Into the Storm)
- Chloë Sevigny (Big Love)



Publicado porLê Scalia

Abso-fucking-lutely…

Absolutamente chocante.

É… acabou. Ontem, domingo (13/12/09), foi ao ar um dos episódios mais importantes (de todas as temporadas) de Dexter.

Do not cross, spoilers.

Aos fãs desavisados, cuidado. Este post contém SPOILERS.

***

Sabe quando você termina de assistir a um episódio e não consegue fechar a boca? Pois é, foi assim o season finale de Dexter. Um final daqueles que te deixa desejando ardentemente que o protagonista acorde e perceba que tudo que pareceu acontecer foi um sonho.

Não é o caso. O produtor executivo da série já afirmou que tudo que você viu nos momentos finais de “The Getaway” realmente aconteceu. Sem chances de voltar atrás… E, gente eu ainda nem sei o que dizer. Fiquei sem palavras!

Tô ficando irritada com essas manias dessas séries de matar personagens importantes, viu. Parece que se ninguém morrer não é considerado um final de temporada de alto nível. Confesso que se fosse diferente, talvez ficasse abaixo das expectativas criadas nessa temporada, mas havia outros jeitos de se construir um fim que correspondesse ao esperado.

Sério! Inclusive, durante o decorrer do episódio, uma possibilidade se fortificava a cada aparição de Harry – a partida de Dexter. E eis que o que ninguém esperava aconteceu. E vale destacar, com algumas incoerências temporais (era dia? Quando Trinity saiu de Miami? Quando foi feita a ligação da Rita que falava sobre a lua?).

Pra mim, o pior não é o final… mas o que vai acontecer a seguir. Pessoalmente, adoro o lado humano do Dexter. O modo como ele foi, com o passar das temporadas, descobrindo que era capaz de amar as pessoas, construir uma família. E o melhor exemplo disso é Harrison, seu filhinho maaais buni!

Ontem, a transmissão de Dexter bateu os recordes da TV a cabo nos Estados unidos. E sim, reconheço a qualidade e preciso rever o episódio tendo consciência de tudo que vai acontecer. E tenho certeza que vou ficar mais tensa ainda, haha.

Foi um final de temporada como há muito não se via. Acabei me lembrando de Grey’s Anatomy no começo do ano (fim da season 5). A diferença é que o elenco de GA é enorme… e já corriam boatos. Enquanto Dexter nos pegou de surpresa, logo na última cena, no último suspiro.

No início dessa temporada, eu vi a @juliebenz (Julie Benz, Rita) dizendo que o final seria chocante e que todos os atores ficaram abismados quando gravaram. Eu não achei que fosse tanto, até que vi o final do seriado.

Ainda não sei o que eu achei de tudo e nem como as coisas vão se desenrolar, só sei que para todos os fãs da série vai ser impossível esperar um ano até a quinta e, espero, espetacular temporada de Dexter.

***

*E pra quem ainda não assistiu, veja. Depois da 1ª season - genial -, essa é a melhor. A construção do personagem de Trinity é admirável, e como disseram por aí, o Dexter nunca foi tão “mocinho” perto de alguém.

Vários episódios de deixar a semana inteira com o queixo caído.

**Lendo a entrevista com o produtor, cheguei a uma conclusão… foram eles (roteiristas) que chegaram a esse ponto. Culpa deles terminar assim. Afinal, eles criaram a expectativa, e era meio claro o que aconteceria ao Trinity – e com certeza no último episódio. Precisavam “causar” de algum jeito e a alternativa foi essa. Culpa deles, haha.

Publicado por: Lê Scalia


Seriados, a volta

 

Este post contém spoilers.

No que diz respeito à televisão, essa época do ano é, pra mim, quase tão divertida quanto o meio do ano no Cinema. Todas as séries – renovadas – voltam, resolvendo os mistérios, explicando fatos, desfazendo nós. Novos personagens, novas situações, novos dramas, novas piadas, mas com o conforto de ter aquele elenco fixo (ou quase todo ele) ali, esperando por você. Não importa qual gênero a série tenha, é muito bom tê-las de volta para mais uma temporada. Hoje vou falar um pouquinho sobre o meu TOP 5, que só não voltou completo porque Chuck retorna somente após o segundo recesso (o mid-season), em fevereiro.

House

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

House, season 6

House, season 6

Bom, acho que a palavra que melhor resume essa season premiere é diferente. O personagem de Hugh Laurie nunca havia aparecido desse jeito, tão vulnerável. No entanto, o episódio foi interessante. A minha dúvida era como ele iria se portar na continuidade da série, já que o seu lado frio e sarcástico foi meio deixado pra trás junto com o Vicodin. Então, no episódio de segunda, pude perceber que as coisas realmente mudaram. Acho que vai ser mais drama e menos humor negro… pelo menos nesse início. Mas devo adiantar, por mais que continue bom, sinto falta das piadinhas únicas do meu gênio do mal favorito, House.

Dexter

Dexter, season 4

Dexter, season 4

Foi a melhor season premiere que eu assisti esse ano. Superou minhas expectativas e se manteve no alto nível de sempre. A cara de cansaço do Michael C. Hall valeu o episódio, sério. E a brincadeira que fizeram com sua própria abertura foi mais engraçada que os episódios inteiros de House e Mentalist juntos! Está, inclusive, no youtube… e eu trouxe pra cá, claro. E pelo final do episódio… ah, a temporada promete! Ótimos personagens, excelentes situações e o humor mais negro da televisão… a 4ª temporada de Dexter tem tudo para manter o nível, e, quem sabe, até voltar à primeira temporada.

A melhor parte do episódio fica aqui:

Mentalist

The Mentalist, season 2

The Mentalist, season 2

The Mentalist foi a melhor surpresa que eu tive no ano passado. Em especial pelo Simon Baker. Excelente! O elenco de apoio também é ótimo, só a Veronica mesmo continua com uma cara meio de nada – é, Veronica… eu tenho o hábito (duvidoso) de me dirigir a personagens por outros papeis que o ator tenha feito, neste caso, a Teresa Lisbon, a atriz Robin Tunney, e a saudosa Veronica Donovan, de Prison Break.

Mas voltando à série, achei esse episódio mais sério, menos divertido. Talvez seja um prenúncio do que teremos a seguir nesta temporada… espero mesmo que não seja. As tiradas do Jane são excepcionais… espero que as piadinhas continuem lá. E espero que tenhamos mais sobre Red John, já que, particularmente, é o fio que eu acho mais interessante no seriado. Todos os episódios referentes ao Red John têm um nível mais alto e sempre dão mais possibilidades de criação. Dá uma melhor continuidade.. De qualquer forma, boto fé em Mentalist.

Grey’s Anatomy

Grey's Anatomy, season 6

Grey's Anatomy, season 6

*Falarei sobre Grey’s um pouco mais porque era a série que trazia mais expectativa quanto ao seu reinício, dado seu trágico (e surpreendente) final de temporada.

E eis que o paciente com a doença misteriosa que faltou em House apareceu em Grey’s Anatomy. Bom, comecemos pela música… faltou trilha sonora. Mas talvez seja proposital, pra combinar com o clima, né, Lú? De qualquer forma, Grey’s é uma série que sempre primou pela trilha sonora impecável… então, em um dos momentos mais importantes da série, optaram pelo silêncio (quase total). E embora isso combine com o clima de luto, não ajuda o telespectador a sentir. Eu apostaria em uma trilha mais foda, acho que seria mais adequado.

E foi diferente também como trataram o luto de cada personagem. Alex praticamente não sentiu muito a morte de George. Christina decidiu ofender todo mundo (e não de um jeito legal). Meredith focou toda a sua energia no McDreamy. Izzie… bom, a Izzie (fora o ataque de riso) foi a que mais se aproximou do luto “tradicional”, ainda assim, sem a intensidade que eu acho que deveria ter. Está certo que cada pessoa experimenta o luto de uma forma diferente, mas achei que o episódio foi focado mais nos personagens que dão apoio à série, como Bailey, Callie, Lexie , Chief e até mesmo Owen. Faltou mostrar um pouco melhor o modo como o quarteto principal de Grey’s começou a superar a morte de um amigo querido (o 5º elemento do ex-quinteto).

Mas a melhor parte ficou mesmo a cargo do Mercy West… hahaha, cúmulo da ironia o chief sofrer um acidente e ir parar lá, sob os cuidados da médica que ele havia rejeitado. Aliás, pessoalmente, achei que a Callie apavorou nesse episódio. Foi a melhor expressão de luto que eu vi no episódio… e claro, ela não precisava da Izzie para responder a pergunta da mãe do O’Malley… ele doaria tudo. É a cara dele. Mas achei fofo ela recorrer à melhor amiga dele. Enfim, até a Amanda lá parecia estar sofrendo mais do que os amigos do George.

Foi interessante vê-los tratar da morte de alguém próximo. Eles, que lidam tão profissionalmente com a morte, sentiram-na mais perto. E gostei do fato de todos os personagens narrarem um pouquinho no final. E acho que a união SGH – Mercy West será bem legal. Mas é como a gente conversou aqui… a criadora já se prepara para a ausência de personagens importantes, como a própria Grey (Meredith), Izzie e o Shepherd. Ela está pensando na possibilidade de colocar a Little Grey no comando da série… bom, a Lexie é legal e tudo o mais, mas por favor… termine Grey’s Anatomy antes que isso aconteça.

Enfim, essa temporada vai ser a hora da verdade pra Grey’s. A Shonda (Rhymes) não costuma decepcionar… mas, pelos boatos, está deixando a desejar. É outra série que precisa se cuidar com a debandada.

No fim das contas, é interessante que das minhas séries favoritas, 3 têm seu sucesso ligado diretamente aos protagonistas. Hugh Laurie (House), Simon Baker (Mentalist) e Michael C. Hall (Dexter) são responsáveis diretos pelo sucesso de suas respectivas séries. Não dá pra imaginar o House sem aquele tom irônico, o Patrick Jane sem seu charme, e o Dexter sem aquela cara… Não dá pra afirmar nada baseando em possibilidades… mas acredito, de verdade, que se esses seriados não tivessem esses atores específicos à sua frente perderiam grande parte de seus atrativos. E, não por acaso, as três séries têm no título o nome de seus protagonistas (ou, no caso de Mentalist, o que ele é).

E, bom, por motivos óbvios eu escolhi falar só do meu TOP 5 de séries… não daria pra comentar todas as séries que eu assisto aqui. Além disso, não estou completamente atualizada em todas elas, hehe.

Acréscimos:

 

 

 

 

 

 

 

Bones, season 5

Bones, season 5

Bones: essa temporada tem tudo pra ser a mais fofa da série.

 

True Blood esteve em fim de temporada e não em início. E, bom, essa é outra série que merece um post inteiro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gossip Girl ainda é um enigma pra mim em certos aspectos,mas até aí, merecia um post inteiro sobre… Tudo bem que a série não prima por ‘ser real’, mas eu não ligo pra isso… mas algo que eu acho eternamente estranho é a relação que os personagens mantêm. Eles se adoram num dia, se odeiam no segundo seguinte e são BFFs no outro quadro… bom, quem sabe um dia. (Aliás, as propagandas de Gossip Girl tendem a ser, no mínimo, interessantes, haha. As da 2ª temporada continham, em cada cartaz, uma foto ‘chocante’ e uma crítica ‘negativa’, do tipo “O Pesadelos de todos os pais” ou “Muito ruim pra você”. Hm… e no meio da temporada, posters com o rosto dos personagens estavam “pichados” com delicadezas como liar, fake, cheater ou loser. Seguido de “você não é ninguém até que falem de você”.)

 

Samantha Who?, season finale (2)

Samantha Who?, season finale (2)

Samantha Who? Acabou na segunda temporada, e, devo dizer, era ótimo pra quando se está à toa… sem compromisso, boas tiradas e uma premissa original.

 

 

 

 

 

 

Private Practice ainda não começou. Na verdade, começa hoje à noite. Aliás, estamos pensando em legendar uma série susse e que tenha uma legenda que leva um tempo a mais pra sair, por isso, pensamos em PP.

Greek teve uma segunda temporada bem melhor do que a primeira. Esperamos uma terceira ainda mais divertida.

90210 não acrescenta nada… mas não se pode negar que rolam barracos haha, é praticamente uma novela mexicana!

OTH segue firme e forte, embora eu tenha certas dúvidas sobre certas coisas (nunca acho um bom sinal a retirada de protagonista(s)).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dollhouse, season 2

Dollhouse, season 2

 

 

 


Heroes ainda me faz lutar (han, han hahaha). Acho que pela consideração que eu tenho com a série – por causa primeira temporada.

Lie To Me, que estreou no Brasil essa semana, pelo jeito está subindo!

Dollhouse melhorou bastante no final da sua primeira temporada e acredito que tenha voltado reforçada.

O twitter é um lugar para medir tanto a espera quanto a reação das pessoas. Na quinta passada (25), Grey’s Anatomy passou o dia inteiro nos trending topics. E o dia seguinte também… bom, talvez alguns dos tweets tivessem um conteúdo um tanto quanto negativos, já que, ao meu ver, o episódio ficou abaixo das expectativas. E no domingo (27), Dexter esteve no topo dos tt, com a volta muito comentada.

 

 

 

Prison Break, season finale (4)

Prison Break, season finale (4)

Lamento da hora: primeira vez em 4 anos que meu segundo semestre começa sem Prison Break. Definitivamente uma das melhores séries já feitas. Disparadooooo!!!

Chuck :]

Chuck :)


Faltou mesmo só Chuck nesse post… :/. Infelizmente, só em fevereiro.

Bons episódios, no geral. E que venham os próximos… não dá pra ficar sem. :]

Publicado por: Lê Scalia

Dexter, um outro nível de TV e de PP

America's Favorite Serial Killer

America's Favorite Serial Killer

Dexter é uma série norte-americana, que conta a história de um serial killer que tem como alvo outros seriais killers. Interessante, não? A série passa aos domingos às 21h (ou seja, um dia e horário não tão nobres), no canal Showtime, pertencente à rede CBS. No Brasil a exibição fica por conta do Canal FX e as reprises pela FOX (domingos às 22h). Dexter, com episódios de pouco mais de 50 minutos, está em sua quarta temporada – que está estreando hoje (domingo, 27) –, e já foi renovado para no mínimo, mais uma. No entanto, apesar da aclamação crítica ainda existem polêmicas que rondam esse seriado.

Baseado na obra de Jeff Lindsay “Darkly Dreaming Dexter”, Dexter fala sobre um cara frio, calculista, que tem sérios problemas, e que tem um desejo irrefreável de matar. Por ironia (são tantas!), ele é um especialista forense em sangue que trabalha no Departamento de Polícia de Miami. Porém, como todo psicopata, Dexter faz um ótimo papel social e é adorado pelas pessoas que convivem com ele, passando facilmente por alguém inofensivo. Confesso que quase desisti de Dexter no início… era tanto sangue e tão pouca emoção… Estava decidida a “largar” a série, mas resolvi tentar um pouco mais… esquecer das cenas cruas e me focar mais no drama e nas atuações maravilhosas. E então, eis que os episódios foram passando, melhorando (substancialmente) e aí não teve mais jeito.

No decorrer das temporadas, os criadores de Dexter tiraram o foco das mortes e passaram a se concentrar na evolução do complexo personagem principal. Como as coisas mudam pra ele e como ele passa a experimentar sentimentos que antes achava não ter, impossível mesmo sentir. Dexter passou de um filme de terror pra um suspense excelentemente construído, um personagem vazio se tornou cada vez mais profundo, e conta ainda com ótimas tiradas e um grande trunfo: Michael C. Hall. Em Dexter não existe meio termo: ou você ama ou você odeia. Eu, particularmente, adoro.

Não é – obviamente – uma série que crianças possam assistir… provavelmente, nem mesmo adolescentes. Mas quando uma produção te deixa cativado a ponto de torcer para um assassino a sangue frio, que aparece como o vilão mais heroico dos últimos tempos, não tem como não reconhecer os méritos da obra. E Dexter tem todos os méritos.

Mas não entrei nessa longa introdução a Dexter por nada… vim falar sobre a campanha de divulgação da série.

Quando chegou ao Reino Unido a FOX preparou uma campanha de marketing viral que consistia em mandar mensagens personalizadas e assinadas pelo assassino: “Hello (name). I’m heading to the UK sooner than you might think. Dexter.”, algo como “Olá (nome). Estou chegando ao Reino Unido mais cedo do que você imagina. Dexter.”. Um tempo depois, a mesma pessoa recebia um email com um vídeo falando sobre uma onda de assassinatos, onde várias ameaças são feitas (como ter o seu nome escrito em sangue na parede de uma cena do crime ou vê-lo aparecer em um saco de evidências).

Acabando com a festa, algumas pessoas acharam que as mensagens fossem spam e reclamaram. Então, a FX esclarecia após a mensagem que aquilo tudo fazia parte de um viral para promover a chegada de seu novo seriado, Dexter, mas que, no entanto, quem havia mandado era algum amigo através do site da emissora. De qualquer forma, muito bom! Muito bom mesmo! E o alto nível das campanhas para promover o seriado continua, com outros tipos de ações, mas ainda assim geniais.

As ações do ano passado, incluíram manipulações de capas de revistas famosas dos EUA, com o personagem principal estampado nas mais diversas publicações. (As propagandas desse ano eu não vou colocar aqui porque contêm spoilers!)

Dexters

Dexters: GQ, Interview, Vanity Fair, Los Angeles Magazine, Details, The New York Times Magazine (faltou aqui a US Weekly :I)

Mas as melhores capas são definitivamente essas:

Dexter, Rolling Stones

Dexter, Rolling Stone

Dexter, Wired

Dexter, Wired

Dexter, Esquire

Dexter, Esquire

Dexter, The New Yorker

Dexter, The New Yorker

Uma das aplicações que essas “capas de revistas” tiveram, se não me engano, foram no metrô de NY e no ônibus de turismo da cidade.

Turismo de matar

Turismo de matar

Muito legal :P

Muito legal :P! RS e US Weekly

Outras propagandas e ações, umas mais antigas, outras menos, foram:

Uma brincadeira com a frase "Power to the people"

Uma brincadeira com a famosa frase "Power to the people", mas reivindicando motosserras e não poder para as pessoas :P

(Qualquer semelhança é mera coincidência…)

Hm... hahaha

Hm... hahaha (foi o mesmo artista que fez os dois)

Essa acabou no ônibus também.

Mais turismo.

Mais turismo.

Mais guerrilhas:

Inesperado, no mínimo

Inesperado, no mínimo

:]

Formato diferente

Não sei se estava no supermercado mesmo, mas se estivesse.. há! :P

Não sei se estava no supermercado mesmo, mas se estivesse.. há! :P

Não dá pra dizer que não chamou a atenção.

Não dá pra dizer que não chamou a atenção.

Ah, mais uma ação (diferente) de Portugal, aqui.

O que dizer então, de uma fonte de “sangue”?

Falando em ironia...

Falando em ironia...

CSI by Dexter

CSI by Dexter

E agora, as propagandas mais antigas de Dexter, mas também as melhores! Muito, muito, muito boas. Eu vi as propagandas antes de começar a assistir o seriado, então, acho que começou a me ganhar aí, hahaha.

“NADA PÁRA UM SERIAL KILLER COMO UM SERIAL KILLER”

Hannibal Dexter (Silêncio dos Inocentes)

Hannibal Dexter (Silêncio dos Inocentes)

Jaxter ou Deson (Sexta-Feira 13)

Jaxter ou Deson (Sexta-Feira 13)

Dexter Bates (Psicose)

Dexter Bates (Psicose)

Bom, é só. Mais sobre o nosso serial killer mais adorável e querido em breve, aqui no Brasil, na estreia da 4ª temporada. Aliás, falando nisso, o primeiro episódio da nova temporada de Dexter vazou na internet em meados de agosto, portanto, já está disponível. E o excelente Michael C. Hall pode ser visto nos Cinemas em Gamer, com o também excepcional Gerard Butler.

Ah, fica aqui a abertura, uma das muitas genialidades de Dexter. Mas talvez, a maior delas – provavelmente a que eu mais gosto. É impressionante como uma sequência de senas (OPA, Sascha!) cenas extremamente comuns podem se tornar aterrorizantes.

Ainda me intriga o fato de uma mesma pessoa poder gostar tanto de coisas tão diferentes como Dexter e Chuck.

 

Publicado porLê Scalia

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: