Arquivos do Blog

Bola fora

Mais uma vez, Neymar está na boca do povo.
E, claro, mais uma vez, não é exatamente graças ao seu excelente futebol.

Já é notícia velha, mas vale uma breve análise. Neymar estava lá, todo saltitante na Vila Belmiro, quando o Santos perdia por 0×2 (também conhecido como o pior resultado da história).

No segundo tempo, o time da Vila reagiu, inicialmente meio devagar e depois engrenou. Faltando 10 minutos pra acabar, o jogo já havia virado: 3×2 (lembra do pior resultado da história? Pois é.), e ainda tinha um pênalti em cima do camisa 11 pra bater.

As coisas iam mais do que bem. Foi quando tudo começou. Neymar pegou a bola, todo confiante pra dar aquela cavadinha e perder mais um pênalti na temporada. Beleza.

Porém, contudo, todavia, o “professor” não deixou. Falou pra ele “Ô, Neymar! Deixa pra quem sabe” ou, talvez, tenha apenas dito “Neymar, filho, deixa pro Marcel”.

Então, o que foi que aconteceu? O quê, o quê, o quê? Ele deixou o Marcel (atacante xis do Santos) bater. Só que aí deu um mega piti. Isso mesmo, um PITI. Xingou Deus e o mundo, incluindo seu próprio treinador – o competente e boa gente, Dorival Jr.

Isso sem contar sua última aventura, lá no Ceará. Nos dois últimos jogos do Santos, contra Ceará e Atlético-GO, o “menino Neymar” causou. E a situação só piora se voltarmos um pouquinho mais. Contra o Avaí, na própria Vila Belmiro.

Alegando que estava apanhando e blá-blá-blá, resolveu provocar seus adversários. Não sejamos ingênuos… o que acontece dentro de um campo de futebol é de deixar qualquer um de cabelo em pé.

Mas o interessante é do quê o Neymar foi acusado. Boatos de que ele rebaixou os jogadores catarinenses ao jogar na cara deles o quanto ele era milionário. Digno de dar risada, certo? Foi isso que gerou mesmo: risadas. E virou piada. Neymar foi parar no twitter, com a hashtag #NeymarRiquinho. Um #KakaBadBoy modificado.

Continuando nossa linha do tempo, Neymar quase apanhou no Ceará. O jogador envolvido na confusão disse que ele se jogava – o que é verdade, embora sofra muitas faltas ele também se joga demais – e que não podia nem encostar nele. Ok.

Eis que, nessa quarta, passou dos limites ao brigar com Dorival e com os companheiros de equipe, inclusive Edu Dracena – o capitão santista -, que chamou a atenção dele pra parar de fazer gracinhas babacas no fim do jogo.

Agora, dizem que a confusão continuou nos vestiários. O técnico disse que as atitudes dele não eram de homem e sim de moleque. Ele se irritou, “Você não pode me chamar de moleque!” (algo que soou como, Quem você pensa que é pra falar assim comigo?!). Então alguns membros da comissão técnica resolveram interferir, e Neymar voltou com a pérola: “Ele me chamou de moleque!” (alguém lembra do Kiko? Ôôô mãe, ó ele..!).

Quando não recebeu apoio em sua jornada solitária contra  o mundo, o menino perdeu ainda mais as estribeiras e jogou uma garrafa de isotônico (Gatorade ou Powerade, não temos conhecimento) no rosto do membro que havia interferido.

Ontem, Neymar veio, obviamente obrigado, a público pedir desculpas a seus companheiros, superiores e torcida brasileira. Desculpa que durou QUASE 2 MINUTOS INTEIROS! (Dá pra ver como ele está arrasado.)

Em certo ponto, disse “eu não gostaria de estar aqui”; com o sentido de “eu não gostaria de que isso tivesse acontecido”. Mas, na boa, ficou do jeito que ele disse mesmo. Era claro e evidente que ele não gostaria de estar ali. Era nítido que ele não queria estar “se humilhando” e pedindo desculpas.

Em um discursinho fajuto e decorado, disse – em 3ª pessoa – que o Neymar é aquele dos sorrisos. Do futebol alegre. Blá-blá-blá². Não importa. Era tudo da boca pra fora.

Não é preciso que se faça tempestade em copo d’água. Tudo que o Neymar precisa é de nascer de novo. Como já tá meio tarde pra isso, alguns limites devem ser um bom progresso. Ele precisa de EDUCAÇÃO. Não importa quem ele é, o que ele faz, com quem ele fala. Não é melhor do que ninguém e os pais dele deveriam ensinar isso a ele. Precisa de respeito.

Não é porque ele é o Neymar. É só porque é um moleque mal educado. Só isso. E, sinceramente, por todas as entrevistas que vi dele e do pai não sei se as coisas vão melhorar. Ao que me parece, essa crença de “sou melhor do que o mundo” começa mesmo em casa.

E, finalizando, o que acham agora daquele chapéu com o jogo parado? Eu cansei de ver defensores ferrenhos do “futebol arte”, adorando o modo “irreverente” dele dizer “Deu vontade, então fiz. Faria de novo”. Pois é. É assim que começa. Por fim, ele tem tudo pra ser um grande jogador. Só não tá virando um grande homem.

Gracinha.

(E, por favor, parem de chamar o Neymar de “menino Neymar“. Ele é jovem sim, mas tem vida de gente grande. Ele não é milionário e crescidinho pra tomar as próprias decisões? Então que ele possa arcar com elas da mesma forma.)

Links relacionados:

Top 8: As polêmicas de Neymar (resume bem a carreira dele, haha)
A briga em vídeo

Posts relacionados:

Meninos x Moleques

Publicado por: Lê Scalia

Mais Single Ladies

Que o Santos joga o futebol mais vistoso do país atualmente é fato. Ninguém põe em cheque.

Que após cada gol vêm comemorações no mínimo… duvidosas, também não é segredo.

Que as dancinhas dos jogadores acabassem em alguma propaganda não é surpreendente.

Pois é, a SEARA, patrocinadora oficial do Santos colocou o “trio de ouro” santista para requebrar à la Beyoncé em sua nova propaganda, que se resume, basicamente, a uma versão futebolística do clipe mais famoso da americana: Single Ladies.

Sinceramente, não acho que falte alguma versão dessa música. Aliás, de danças, porque a coreografia é tão famosa quanto – se não for mais – a própria música.

Estou dividida. Achei uma boa ideia, uma ideia interessante, pelo menos. E colocar os malabarismos com a bola é mais cabível do que a jogadinha de quadril da Beyoncé… mas não me convenci. Tem algo nessa propaganda que me cheira a vergonha alheia. Acho que é culpa do Ganso, que não parece muito à vontade.

(Acho que a overdose de Seara’s não ajudou também.)

De qualquer forma, é válido. Confira aqui o vídeo e decida se você se identifica mais com a sem-vergonhice do Robinho ou a timidez do Ganso. Aliás, falando nos três, não dá pra esquecer que amanhã sai a temida convocação para a Copa.

Podem me matar mas eu não levaria o Neymar. #Prontofalei. Não levaria porque ele é só um bebê que não joga lá grande coisa quando pega times grandes. Não dá pra fazer experiências a essa altura. Mas não levaria o Robinho também. Acho que levaria o Ganso, se tivesse que levar um dos três… fato a se pensar é que nosso titular da seleção (Robinho) é o mais apagado desse time do Santos. Qualquer um dos dois seria melhor!? #Tenso.

Links relacionados:

Entrevista com o ‘craque nas palavras’ Neymar (deplorável)

Posts relacionados:

As Cem Single Ladies e a Dança da Cadeira

Publicado por: Lê Scalia

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: